Limeriques

104 limeriques de Sérgio Capparelli

 

Tinha uma menina séria em Caeté

Que perguntava “o que é? O que é?

tem pescoço de botija

e bem na ponta mija?

provocando riso das meninas de Caeté

 

 

 


Salvador

Havia uma menina em Salvador
a propor “advinha, adivinhador,
Mãe verde, filha encarnada,
Mãe mansa, filha danada”,
terrível essa menina de Salvador.

Taubaté

Tinha uma menina recatada em Taubaté
Que perguntava “o que é? O que é?
tem pescoço de botija
e bem na ponta mija?
provocando riso nas meninas de Taubaté.

Betim

Havia um rapaz estranho em Betim
Esperto, propunha uma advinha assim:
Responde, não seja bocó,
Está no pomar e no paletó,
E ria-se, esse estranho rapaz de Betim
Resposta: Manga

Juiz de Fora

Havia um menino em Juiz de Fora
Que vivia exibindo a pingola
gritou-lhe uma cegonha:
Seu sem-vergonha!
assustando esse menino de Juiz de Fora.


Belo Horizonte

Havia uma menina irada em BH
Que não suportava ver mandruvá
“Mandruvás do meu Brasil,
Vão pra puta que pariu”,
gritava, irada, a menina de BH!


Londrina

Havia um mecânico em Londrina
Que construiu um carro de gelatina
Nesse carro trilegal
Viajou até Portugal
anunciou esse mecânico de Diamantina


Curitiba

Havia uma nervosa senhorita em Curitiba
Burrinha, conhecia neca de pitibiriba
- Qual a capital do brasil?
-Ah, vai pra puta que te pariu,
respondia nervosa a senhorita de Curitiba.


Porto Alegre

Havia um prefeito em Porto Alegre
que confundia gato com lebre
Um dia, na praça central,
uma lebre soltou um MIAU!
intrigando os moradores de Porto Alegre.


Aparecida de Goiânia

Uma Bela Desperta de Aparecida de Goiânia
Que um dia disse: sou muito espontânea,
Mas o lobo veio me dizer:
- Estou aqui e quero te comer!
Coitada dessa Bela Desperta de Goiânia.


Santa Maria

Havia uma menina em Santa Maria
Foi acusada de estrondosa peidaria.
Se peidei, não sei
só sei que me caguei
Explicou essa menina de Santa Maria.


Vitória

Havia uma menina faminta em Vitória
que entrou numa dieta obrigatória:
Grelhou quinze bois,
e comeu todos com arroz,
Cumprindo essa dieta, em Vitória.

Campinas

Existia um menino em Campinas
Que se afogou um dia numa piscina
Ele gritou: me tirem daqui!
Mas escutaram : larali, larali!
o que desgostou o menino de Campinas.


Anápolis

Havia um menino esquisito em Anápolis
Que em vez de sapato dizia sapápolis
- Vou calçápolis o sapápolis
Com a ponta desse lápis,
Dizia ele, muito sério, em Anápolis.

Uberaba

Havia uma menina em Uberaba
que comia chiclé com goiaba,
pudim de minhoca
e torta de muriçoca
na rua principal de Uberaba.


Campo de Goytacazes

Havia um senhora em Campos de Goytacazes
Que sonhava um dia morar em Buenos Aires
Perguntaram:dança tango?
Respondeu: só com calango,
O que arrancou risos em Campos de Goytacazes.


Manaus

Havia uma menina gulosa em Manaus
Que gostava, na ordem: a) bacalhau:
b) Frango solto no quintal
c). batata tinha no embornal
Supimpa essa menina de Manaus!


Caxias do Sul

Havia uma menina em Caxias do Sul
que tinha um adivinha fácil pra xuxu
Tem dente, mas não come
Tem barba e não é homem.
Sabida, essa menina de Vila Formosa.
Resposta: Alho


Santo André

Havia uma senhora em Santo André
enfezada, mas conhecida por pouca fé.
Pouca fé, mas bule não sou
Nem pense nisso, por favor!
Dizia essa senhora de Santo andré.


Santarém

Uma velhinha atrevida em Santarém
Só dirigia seu carro a mais de cem
Ela buzinava insistente
E gritava: saiam da frente!
Essa velhinha atrevida de Santarém.


Cascavel


Havia uma menina ofídica em Cascavel
que quando brigava fazia um escarcéu
Ela grunhia GRRRR
E respondiam? Bzzzzzz
Irando mais ainda a menina de Cascavel.


Blumenau

Havia uma senhorita de Blumenau
que tinha um adivinha sensacional:
Campo grande, gado miúdo
Moça formosa, rapaz cabeludo
Ela propunha nas ruas de Blumenau.
Resposta: céu, estrelas, lua e sol.


Teresina

Ouvi um dia em Teresina:
o advinha de uma menina:
Uma igrejinha branca
Sem trave ou tranca
e ria que ria a menina de Teresina
Resposta: ovo

Novo Hamburgo

Havia um menino em Novo Hamburgo
que achava que todo mundo era surdo:
Nome Ta, Sobrenome, Tu
Calça rasgada, chicote nu.
O que é o que è?, inquiria, em Novo Hamburgo.
Resposta: tatu


Maceió

Havia um velhinho em Maceió
Que sabia uma advinha só:
Alto está, alto mora
Você vê, não adora
Sai dessa, dizia ele, em Maceió
Resposta: sino

Vitória da Conquista

Havia um moleque em Conquista
Que leu um enigma numa revista:
Sete irmãozinhos são
Cinco na feira, dois não.
o que baratinou o moleque de Conquista.

Governador Valadares

Havia um menino em Governador Valadares
Que resolveu um dia mudar de ares
Em num mosquito
Viajou até o Egito
Esse menino voador de Governador Valadares.


Feira de Santana

Havia um agricultor em Feira de Santana
Que um dia plantou uma muda de banana
Nasceu um grande bananal
que ia de Santana a Portugal
Enriquecendo o agricultor de Feira de Santana.


Juazeiro de Norte

Havia uma velhinha em Juazeiro
Que plantou uma árvore de dinheiro
Só nota de um milhão
Azedas, que nem limão
Entristecendo a velhinha de Juzaeiro.



Goiânia

Havia uma velhinha em Goiânia
que certas familias chamavam Tânia
e outras diziam “Tana
Catana Sovaco de Paina
Nua & Enxerida Comendo Banana.”


Guarujá

Há velhinha econômica em Guarujá
que economizava comendo pasteis de ar
No almoço e no jantar:
- Mais barato que isso não há,
dizia, economizando a voz, em Guarujá.



São Paulo

Da Sé, em São Paulo capital paulista,
um pato foi de patins até Boa Vista
voltou moído de cansaço
com os patins debaixo do braço
Pra descansar na capital paulista.

Boa Vista

Um pato que morava em Boa Vista
Foi de patins até São Miguel Paulista
Na volta, estropiado,
e de patins quebrado
disse: ah, boa mesmo é Boa Vista.

Viamão

Uma pobre mulher em Viamão,
quis coçar o pé, perdeu a mão
Procurou, procurou
Numa mais encontrou
a mão, essa mulher de Viamão.

Duque de Caxias

Havia uma menina em Duque de Caxias
uma fera, tanto de noite quanto de dia
Ela rugia GRRRRRRRR!
E respondiam: Bzzzzzzzz!
O que aborrecia a menina de Duque de Caxias.

Osasco

Havia um menino em Osasco
disse um dia, com desembaraço:
Não consigo tocar gado
toda vez que tô cagado!
Sincero esse menino de Osasco.


Jaboatão dos Guararapes

Havia uma mulher em Jaboatão
Que na terrina de sopa lavava a mão
Depois tapava o nariz:
- O que você me diz?
perguntav,a a mulher de Jaboatão.


Guarulhos

Havia um menino em Guarulhos
Que perguntava todo mês de julho:
Qual é, adorado, meu bem,
A ave que pena não tem?
E ria-se, esse menino de Guarulhos.
Resposta: Ave Maria

Foz do Iguaçu

Havia uma senhora Foz do Iguaçu
Que adorava cachorrinho lulu
Viu um e gritou: Uau!
E o luluzinho: au-au,
alegrando a cidade de Foz do Iguaçu.

São Luis

Havia uma mocinha em São Luis
cujo maior sonho era um dia ser atriz.
Numa árvore ela subiu
bateu asas e PIU, PIU,
maravilhando a todos em São Luis.


São José dos Pinhais


Havia uma menina em São José dos Pinhais
muito mal educadas, uma das dez mais
Tirava meleca do nariz
E grudava nos lambris,
Essa senhorita malquista de São José dos Pinhais.

Contagem

um velho muito educado em Contagem
disse a um canarinho num fim de tarde
piu, piu; piu, piu; piu-piu
- Vai pra puta que te pariu,
ouviu do canarinho o velhinho de Contagem

Brasília
Existia uma senhorita em Brasília
Cuja adivinha era uma armadilha.
- O que é que o pinto faz
Se a mão quero lavar?
perguntava, ardilosa, em Brasília.
Resposta: pia

Jundiaí

Existia um menino triste em Jundiaí
Que um dia foi no mato fazer xixi.
Pra fora ele tirou o pipiu
uma onça fez nhac e sumiu,
que tristeza a desse menino de Jundiaí!

Itaquaquecetuba

Havia um menino em Itaquaquecetuba
Que um dia enfiou um gato na tuba
O gato miou: MIAU!
E o público: UAU!
No centro da praça de Itaquaquecetuba.

Nova Iguaçu

Havia uma menina esperta em Nova Iguaçu
Que vez por outra conversava com um tatu.
´Cê vai onde, tatu bola?
Eu tô indo pra escola
O que alegrava essa menina de Nova Iguaçu.


Limeira

Havia um cavaleiro incrível em Limeira
Que um dia despencou numa pirambeira:
Ele ia para Ubatuba
A cavalo numa saúva
Cavaleiro maluco, esse, de Limeira.


Barueri

Havia um menino skatista em Barueri
Que vestiaa pijama na hora de dormir,
Magricelo esse skatista,
no pijama de uma só lista
nas noites frias de skate em Barueri.

Petrópolis

Havia em Petrópolis um professor
que um dia, intrigado, perguntou:
Altas torres, belos penachos,
Água em flor, flor nos cachos.
Disseram: Mas isso é advinha, professor!
Resposta: Palmeira

Gravataí

Um dia um menino em Gravataí
Bateu um pênalti e exclamou: Xi,
Claro, a bola ia entrar,
a goleira é que saiu do lugar,
Envergonhando o time de Gravataí.


Piracicaba

Havia uma esportista em Piracicaba
que na seleção conseguiu uma vaga:
e só jogava basquete
Fritando omelete
Uau, gritava a torcida de Piracicaba.


São Vicente

Um dia, um pedreiro em São Vicente
propôs um adivinha surpreendente:
me digam o que é, o que é
Anda deitado, dorme de pé?
O que intrigou o povo de São Vicente.
Resposta: pé


Suzano

Havia um jardineiro em Suzano
muito religioso, casto e puritano
De seus espirros
Brotavam lírios
Que perfumavam as ruas de Suzano.


Ribeirão das Neves

Havia uma menina em Ribeirão das Neves
a quem perguntaram: como te atreves
a passear na feira
numa banheira?
O que emudeceu a menina de Ribeirão das Neves.


Belfort Roxo

Havia uma costureira em Belfort Roxo
cuja adivinha provocava sempre alvoroço:
- Qual rato que sem asa
pula mais alto que a casa?*
perguntava a costureira de Belfort Roxo.
Resp. Qualquer um, pois casa não pula.

João Pessoa

Havia uma menina em João Pessoa
que propunha uma advinha muito boa:
- Qual é o rato que sem asa
pula mais alto que uma casa?*
E ria-se essa menina de João Pessoa.


Rio de Janeiro

Existia um inglesinho no no Rio de Janeiro
Que em caso de neblina perguntava sorrateiro:
-Ei, You schtá bão?
ischtou, ocê não?
Dando um ar bem londrino ao Rio de Janeiro.


Carapicuíba

Havia um menino em Carapicuíba
Que um dia deixou pingola pra riba
Gritou-lhe a cegonha:
Seu sem-vergonha!
Assustando esse menino de Carapicuíba.


Uberaba

Existia um menino em Uberaba
Sem família, sem escola e sem casa
Um dia virou garça branca
e voou, majestoso, pra França
maravilhando a todos em Uberaba.


Joinville

Um dançarino animado em Joinville
Que foi de Florianópolis a Alphaville
Dançando com uma saúva
Debaixo de um guarda-chuva
Esse incansável dançarino de Joinville.


Campo Grande

Havia um jornalista em Campo Grande
Que decidiu vender em um estande
Letras maiúsculas de jornais
Com as notícias sensacionais
Esse jornalista letrado de Campo Grande.


Porto Velho

Havia um menino em Porto Velho
Que tinha a mania de escaravelho
Com fome certa vez
Comeu dois mil e três
Escaravelhos, o menino de Porto Velho

Belém

Havia uma menina estudiosa em Belém
Que falava espanhol como ninguém
Para contar vantagem
Disse: me gusta la vagem
Arrancando risos das pessoas de Belém.


Campinas

Havia uma menina em Campinas
Que sonhava um dia ser bailarina
Dançava com vassouras
Com nabos e cenouras,
Arrancando aplausos em Campinas.


Ponta Grossa

Havia um senhor em Ponta Grossa
de nariz extenso e de ponta grossa
Que ia a Belo Horizonte
tendo, no meio, uma ponte
Nariguda esse senhor de Ponta Grossa.


Franca

Havia um Arquimedes em Franca
Que saiu procurando uma alavanca
Com ela, erguerei o mundo
Pra saber o que tem no fundo
Dizia esse Arquimedes de Franca.


Uberlândia

Havia em Uberlândia uma menina
Que adorava cuspir para cima
O cuspe alto subia
E na sua cara caía
fazendo muito sofrer essa menina.

Mogi das Cruzes

Havia uma menina gulosa em Mogi das Cruzes
Que louca de fome exclamou: Credo Cruz(es)!
Assei na grelha três bois
Comi um, os outros, depois
Fico louca de fome aqui em Mogi das Cruzes? 

Maringá

Havia uma menina em Maringá
ensinando à galinha o B+A+BÁ
Disse: olha aqui, ó!
E a galinha: cocoricó!
Irritando a menina de Maringá.

Maringá

Havia uma menina em Maringá
Que dava muito o que falar
Escrevia Tamanduá
Com enormes letras “a
E dizia: é assim em Maringá!

Sorocaba

Havia duas boas velhinhas em Sorocaba
caducas, com uma memória muito vaga
Os óculos? Tinham ingerido.
O remédio? Dentro do ouvido,
surpreendendo as enfermeiras de Sorocaba.

Aracaju

Havia uma menina esperta em Aracaju
Que um dia plantou um pé de caju
Ao regá-lo com cerveja,
Ouviu: e a sobremesa?
O que atordoou essa menina de Aracaju.

Cariacica

Um menino que gostava de batatinha de Cariacida.
morreu e ressuscitou, apesar de dizerem que é futrica:
No enterro, alguém disse: batata frita!
Pulou do caixão e gritou “Delícia!”
assustando a todos no cemitério de Cariacica.


Ribeirão Preto

Havia um caminhoneiro em Ribeirão Preto
Que saiu um dia para fazer um carreto
Errou a saída para o sul
E só foi se dar conta no Peru.
Esse incrível caminheiro de Ribeirão Preto.


Moema

Havia uma senhorita casadoira em Moema
Que nos últimos tempos vivia um dilema
Se casava e alugava casa
Ou casa alugava e se casava
Atormentada, essa senhorita de Moema.


Pelotas

Havia um senhor moralista em Pelotas
Que gostava de dizer para as garotas
Se peito de moça fosse buzina
Ninguém dormia nessa campina
Arrancando risos nas moças de Pelotas.



Vila Velha

Havia um engenheiro em Vila Velha
Que fazia o que lhe dava na telha.
Casa de pernas para o ar
Com porão no último andar.
Engenheiro esquisito esse, de Vila Velha.


Jundiaí

Havia uma menina em Jundiaí
muito esquecida tanto lá como aqui.
Meu nome, Dirce.
Será que já disse?
Disse essa Dirce judiciosa de Jundiaí. 

Diadema

Havia um menino em Diadema
Que pra voar, faltavam as penas
Disse: agora, lá vou eu
Caiu no chão e morreu,
Esse incrível menino de Diadema.


Diadema

Essa menina que alegre em Diadema
Em vez de indígena dizia ingênua
-Na descoberta do Brasil
Havia ingênuas, mais de mil.
Dizia a menina que alegre de Diadema. 

Diadema

Havia um menino esquisito em Diadema
Que adorava clara mas detestava gema
Vivia implorando à galinha:
Ovo só com clara, queridinha!
Irritando todo um galinheiro em Diadema.


Petrolina

Havia uma menina poetisa em Petrolina
que procurava uma rima para clínica:
Perguntaram o que tínhica.
-Não acho rímica pra clínica!
Respondeu, choramingando, em Petrolínica.


Caruaru

Havia um rapaz atento em Caruaru
Que um dia no céu avistou um urubu
No bico, um boi inteiro
E era o mês de fevereiro
Deixando intrigado o rapaz de Caruaru.



Cuiabá

Havia uma menina enfastiada em Cuiabá
que andava cantarolando pra lá e pra cá.
Tra-lá-lá-lá-lá
Pacati, pacatá
e isso ainda mais a enfastiava em Cuiabá.


Fortaleza

Havia uma menina em Fortaleza
Que dizia que era muito inglesa
How do you do, meu bem?
Eu duidei, você também?
E ria-se, essa menina de Fortaleza.


Niterói

Havia uma menina em Niterói
Que só de pensar nela me dói
Era minha namorada
e não sabia taboada,
minha namorada de Niterói.

São João do Meriti

Havia um atleta em São João do Meriti
Que fez uma maratona de lá até aqui,
Com um cacho de banana.
Dizia: parece uma paina,
levando ao delírio São João doMeriti


Caucaia

Havia uma velhinha bem velhinha em Caucaia
que passeava de tarde com um tomara que caia:
Ela disse: Luis na frente; Miguel, atrás;
Solteiras, no meio; casadas, jamais.
saia dessa, disse, no seu tomara que caia em Caucaia.
Letra L


São José dos Campos

Havia um menino em São José dos Campos
Que em matéria de adivinha não era santo:
Me digam: O que é? O que é?
Que anda deitado e dorme de pé?
Intrigando a todos em São José dos Campos.
Resposta: pé


Canoas

Havia uma menina em Canoas
que perguntava umas poucas, mas boas:
Nasci na água, nela me criei
Se me jogarem na água, morrerei
perguntava risonha a menina de Canoas.


Vila Velha


Havia uma velhinha em Vila Velha
que propunha uma adivinha singela:
O que é que pula, pula
Sem tirar a mão da cintura?
E ria-se a velhinha de Vila Velha.
Resposta: Pilão

Santos

Em Santos havia um menino distinto
Que estava em casa arejando o pinto
Passou uma cegonha
e gritou: sem-vergonha!
assustando em Santos o menino distinto.


Volta Redonda

Havia uma menina em Volta Redonda
Que em contas e números era hedionda
- Quando é um mais um?
- Ziriguidum, Ziriguidum!
Respondia, a dançar em Volta Redonda.


Mauá

Havia uma mão leve em Mauá
que se achava uma menina má
-Faço veemente protesto
Contra mim, que não presto
E bateu mais uma carteira em Mauá.


São João do Meriti

Havia uma menina em São João do Meriti
Que falava: eu falo muito bem a língua tupi:
Bororo, roro caroro
Piriripac hun te adoro
E ria em tupi a menina de São João do Meriti.

Olinda

Havia uma velhinha em Olinda
Que dizia: meu nome é Linda
Linda Piu-Piu Dom Filó
Inventora do ar em pó
Um nome de grife aqui de Olinda.

Recife

Havia um velhinho no Recife
Que dizia: meu nome é Felipe.
Felipe Piu-Piu Dom Filó
Inventor da água em pó
um nome de grife aqui do Recife.

Montes Claros

Havia um amestrador em Montes Claros
Que comprou dezessete elefantes raros
Caiu uma tromba d´água
E afogou todos na água
Entristecendo esse amestrador de Montes Claros.


Paulista dos Guararapes

Em Paulista havia uma mucama
a quem uma agulha servia de cama.
Ah, bem magrinha
se cobria com linha,
Essa interessante paulistana mucama.


São José do Rio Preto

Havia uma menina em São José do Rio Preto
Que adorava brincar amarelinha de outro jeito
Pulava casas no meio do mar
Sem medo nenhum de se afogar
deixando orgulhosa a população de Rio Preto.


Serra

Existe uma menina em Serra
Que fala espanhol e não erra
Para contar vantagem
Dize: me gusta la vagem
Essa menina poliglota de Serra.


São Bernardo do Campo

Existia um cego em São Bernardo do Campo
Que no fim da vida teve um desencanto
Virou uma garça branca
e voou direto pra França
assustando a população de São Bernardo do Campo.


Florianópolis

Existia um apicultor em Florianópolis
Que tirava da colméia mel e própolis
Uma abelha advogada
Denunciou-o à delegada
De polícia feminina de Florianópolis.


São Gonçalo

Um velhinho cego de São Gonçalo
Certa vez, montado em um cavalo
roubou oito malotes,
de peixes e de serrotes
dando o que falar em São Gonçalo.

Ananindeua

Havia em Ananindeua uma menina
Que pra Ananindeua procurava rima
- Não sei o que faço
Se o limerique desfaço
Ou ponho o Ananindeua da menina e termino a linha em laço.