Crônicas

Tia Cora e o Anjo

Pouco antes de Vovó Zizinha morrer, chamou tia Cora à cabeceira da cama e disse:
-Cora, querida, agora é com você.
Dizem que Tia Cora arregalou os olhos, sem entender o que acontecia.
-Comigo o quê, Dona Zizinha?
-Sabe, Cora, considero nossa família muito complicada – e depois de uns instantes de silêncio - Agora é com Você.
Um anjo que voava por perto, pousou junto de Tia Cora e disse, com um vinco de preocupação na testa:
-Pode contar com minha ajuda, Cora. Vai ser muuuuuuuito difícil lidar com essa família.

Pouco antes de Vovó Zizinha morrer, chamou tia Cora à cabeceira da cama e disse:
-Cora, querida, agora é com você.
Dizem que Tia Cora arregalou os olhos, sem entender o que acontecia.
-Comigo o quê, Dona Zizinha?
-Sabe, Cora, considero nossa família muito complicada – e depois de uns instantes de silêncio - Agora é com Você.
Um anjo que voava por perto, pousou junto de Tia Cora e disse, com um vinco de preocupação na testa:
-Pode contar com minha ajuda, Cora. Vai ser muuuuuuuito difícil lidar com essa família

Ainda atordoada, Tia Cora perguntou:
-Por que vai ser difícil?
-Quem viver, verá!


Há cerca de um mês, estava em San Vito al Taglimento, quando recebi uma chamada interurbana de Tia Cora. Ela comunicou:
-Sua Tia Maria morreu.
Apesar de achar aquela voz muito estranha, não me preocupei. Tinha certeza de ser o Anjo que telefonava. No momento, Tia Cora devia estar muito ocupada, senão ela mesma faria o que devia ser feito.


Todo mundo sabe que o Anjo e Tia Cora dividem os afazeres do dia. O problema é que muitas vezes não se sabe qual dos dois fez isso ou aquilo. O Anjo?  Tia Cora? E são muitos, os afazeres.
Caminhar com Tio Vittorio, por exemplo, que aos 95 anos anda quilômetros e quilômetros.
Ou ensaiar todo santo dia o coral da missa das sete na Catedral de Santa Terezinha, acompanhado por um bonito órgão que ela mesma toca.
E ainda organizar o festival de cordas, de que participam centenas de crianças da periferia.
Sem esse anjo, impossível levar adiante tudo isso.


No mês passado, quando morreu Tia Maria, o baque que ela sentiu foi tão grande que o Anjo se responsabilizou pela parte mais burocrática da dor, impostando a voz da Tia e fazendo os comunicados.


Eu recebi a notícia e nem bem desliguei o telefone, tocou novamente. Era nosso parente distante, Peppino, chamando de Spezzano Albanese.
Ele disse:
-Recebi uma notícia muito estranha. Alguém, querendo se passar por Tia Cora, me comunicou a morte da Tia Maria.
-Morreu mesmo, Peppino, respondi. Mas me diz uma coisa: por que achou estranho?
-A voz. Uma voz diferente. Com música de fundo.
-Música? Que tipo de música?
-Celestial.
Matei a charada.
Era o Anjo em pessoa que do céu tinha chamado Peppino. Ao telefonar, se esquecera de desligar a música ambiente do paraíso. Mas como explicar ao Peppino? Preferi sair pela tangente:
-Sabe, Peppino, Tia Cora me noticiou há pouco a morte da Tia Maria. Estava um pouco resfriada. Quando à música, deve ser a do Coral da igreja, ensaiando para domingo que vem.


Ontem acordei com uma sensação estranha. A de que não era o Anjo que ajudava Tia Cora, mas Tia Cora que ajudava o Anjo. Ela dizia o contrário por ser humilde. Não queria parecer maior que nenhum Anjo do céu. Sabe bem que a vida aqui embaixo está sem pé nem cabeça e que Anjo nenhum consegue fazer o que deve ser feito numa situação tão difícil.


Isso me faz recordar o dia em que papai quis voar e pulou do edifício Tubal Vilela, então o único da cidade. Voou em círculo por dois ou três quilômetros. Isso é fácil, vocês vão dizer. Concordo. E aterrissar? Aí é que são elas!
Tia Cora conseguiu às pressas umas almofadas e papai pousou com segurança. Todo mundo bateu palma e olhou feio para o Anjo, que tinha chegado atrasado e observava a cena de longe.

Tia Cora fez 85 anos e ultimamente passou a ter  visões. De um anjo, por exemplo, que aparece no espelho da penteadeira, toda vez que ela vai pentear os cabelos. Cristina, sua filha, procura saber um pouco mais: “Explica melhor, mãe. A senhora ou o Anjo penteava os cabelos?" Tia Cora fica em silêncio e se nega a responder. Sabe muito bem que não existe pente ou escova para pentear cabeleira de anjos. E quem ela vê? Ninguém diz, mas todo mundo sabe que Tia Cora se vê a si mesma, lentamente se transformando numa criatura celeste.