Poesia

Menina doente

 

 

À espera do médico de base
a vida flui lenta, muito lenta.

Pachorrenta, a TV anuncia
o creme de beleza 4ever.

A menina doente suspira,
o rosto queimando em febre.


 

É tarde e o médico demora.
É tarde, e o anjo se apressa,

O anjo se apressa e pousa
na sala onde alguém o espera

Por que ele só chega agora?
Por ele tem tanta pressa?

O anjo olha a menina e pisca
pisca porque não a reconhece

e vai embora levando a foice
e olhando-o, a menina estremece..
.
Os que esperam, desorientados,
compram 4ever na loja ao lado.

 

(Ilustração: E.Munch, aqui)